quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Contramarcha





Todos, todos sempre a crescer,
Uns mais que outros certamente,
Acumular infinitamente até morrer,
Esquecendo o que é ser e viver.
Economia do dinheiro,
Percentagens, competição,
Dominar o mundo inteiro
Até rebentar o coração…
Torres vertiginosos de poder
E especulação, a vida em contramarcha
Sem recordação, numa corrida de ratos
De Vestidos e fatos,
Sempre rentável
Deveras alienável,
Sempre em frente, em vão,
Coração indiferente a crescer
Infinitamente até deixar
De bater…


P.A.

"A ponte é uma passagem para..."



P.A.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Onde estás ?






Ainda me lembro de todas as pontes
Que me ensinaste a construir,
Peça a peça, sobre água, entre montes,
Até o encanto deixar de fluir.

Ainda me lembro, mãe, do teu grito
A perfurar a raiz do coração,
A romper um corpo interdito,
A manter-me quieto, a dizer não.

Ainda me lembro, mãe, de alguém
A afastar-se numa névoa indolente,
E eu estancado sem saber, de repente,
A ficar sem esperança de ninguém.

Ainda me lembro, pai, da tua visão
Sobrevivente no silêncio da casa,
Da ausência de uma explicação
Para o impiedoso corte de uma asa

Ainda me lembro, pai, de alguém
Que deveria segurar-me a mão,
Não sendo já o grito da minha mãe,
Mas a partida do meu irmão.


P.A.



quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Kremlin II

Kremlin




Toda a cidade de Moscovo converge para o Kremlin onde nasceu o sacrifício de um povo fortificado pelo poder tenaz dos seus chefes, onde se acaba sempre por desembocar numa vontade férrea e superior de completar a vida.




P.A.


quinta-feira, 30 de junho de 2016

Todos os poemas





Todos os poemas são uma fabricação
Lenta de sentimentos que escorre
Por uma folha de papel enrolada,
Uma clareira de sons e palavras
Resgatada numa mescla de corpo
Pausada.
Todos os poemas são uma transgressão
Imprecisa de ideias que resvala
Por sulcos de sangue ao longo da matéria,
Um desequilíbrio de ausência, uma
Necessidade de presença que convergem
Para a morte concisa.
Todos os poemas são a malha invisível
Do tempo, cinzas de luz que se acendem
No momento infinito sem palavras,
Vozes de ninguém que a angústia lavra
Ciente e meticulosa, curvada no silêncio
Da terra e do infinito presente.
Todos os poetas nascem pela impossibilidade
De viver, numa encenação muda de contrários
Como a morte de um tempo intervalar,
Brotam como malabaristas no declive do espaço,
Circulam perdidos num saber rotundo e cada um
Contém na pele um mapa do mundo.
Todos os poetas têm a lucidez de um grito,
Uma raiz profunda, um eterno conflito,
São pedaços de magma original que rasgam
O solo em silêncio na direcção do fim
De um ponto inicial.


P.A.

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Sombras e segredos





A avenida sustém uma presença ausente,
Espólio de sombras e segredos frágeis,
Resíduos depositados em patamares de luz
Deixados vazios pela noite que dormirá,
Sendo que a noite não dorme mas consente,
Não é vista mas é viva de estar e sentir,
Sem morada, no minuto exacto e consciente,
Para além de tudo aquilo para que se nasce,
No declive acidental esvaído lentamente.
Sou sempre eu neste espaço e uma cama ao alto,
Olhos pousados numa folha e um corpo sem saída
Senão a de cumprir uma essência irreversível
Pelo caminho do acaso e imponderável do sujeito.
A mesa junto à janela no outro canto da sala
Marca o momento livre e inalienável do tempo,
Que me acolhe demoradamente na síntese consumada
Desta presença e me deixa sem vontade de escrever.
Faltam-me razões de ser mais para além do aqui e agora
Pregado no corpo actual que arde interiormente
Ao longo das coisas que me rodeiam pacientemente.
Faltam-me motivos para escrever para além da noção
De ser eu uma carga material num instante particular,
Intervindo livremente por dentro do tempo indefinido.
O presente dilata-se em recordações e intenções vãs,
Arrasta-se num fantasma que aguarda enquanto caminha,
Toca todos os instantes com e sem propósito,
Numa interpelação leve da consciência sumária.
Faltam-me desejos de viver para além de sombras e segredos ,
De tudo o que sobeja dos dias e noites inúteis,
Por isso não quero ser nem escrever mais,
Quero repousar na sombra desinteressada
E viver uma vida indesejada…



P.A.